Trem – Um passeio no passado – Campinas – Brasil

O que você vai fazer no próximo fim de semana? Não tem nenhum plano? Que tal andar de trem?

No passado as rodovias eram muito precárias e os ônibus lentos e desconfortáveis, a melhor opção para viajar eram as linhas ferroviárias com trens bastante confortáveis e seguros.

Por razões que agora não vale discutir, quanto mais crescia o transporte rodoviário, mais o transporte ferroviário ia se acabando.

Graças a Associação Brasileira de Preservação Ferroviária (ABPF) podemos vivenciar como era o transporte que todas as pessoas com um pouco mais de idade elogiam muito. A Associação é formada por voluntários que restauram locomotivas, vagões, linhas férreas e estações e disponibilizam ao público viagens de fim de semana.

Tire o domingo para conhecer como aconteciam as viagens pelo interior do estado de São Paulo. Lazer, aprendizagem ou para divertir as crianças, não importa o motivo, certamente será um passeio diferente e muito agradável.

Hoje existem vários trajetos pelo estado de São Paulo, no link abaixo podemos conhecer 14 opções, nesta publicação vou falar da Viação Férrea Campinas Jaguariúna.

O passeio começa na Estação Anhumas em Campinas onde podemos apreciar algumas locomotivas Maria-Fumaça, vários vagões e a estação totalmente recuperada. Podemos aprender que banheiro feminino se chamava “Sala de Senhoras”, ver os detalhes de decoração que hoje não existem mais em prédios novos. Um dos voluntários conta um pouco da história da linha Mogiana, dos trens e de fatos interessantes do auge da era dos trens de uma forma bastante agradável.

Embarcamos, os lugares marcados. A saída é exatamente no horário como era tradição no passado. As pessoas de mais idade diziam que era possível acertar o relógio pelos trens da Paulista.

Neste dia o trem era composto por onze vagões, uma locomotiva Maria-Fumaça de 1925 e uma locomotiva a diesel de 1958. A locomotiva a diesel é utilizada para ajudar na tração e contribuir para diminuir a poluição gerada pela Maria-Fumaça como também diminuir o risco de incêndios nas laterais da linha férrea.

Durante o percurso de aproximadamente uma hora e meia podemos apreciar com calma a paisagem e o gostoso balanço do trem. É possível avistar várias casas dos tempos do auge das fazendas de café da região, é um museu a céu aberto. Passamos por pontes, cruzamos rios e atravessamos os galpões da oficina de restauração de locomotivas e vagões da ABPF. Paramos somente uma vez na Estação Tanquinho, para uma manobra das locomotivas, foram apenas alguns minutos. Passamos por mais três estações, mas sem paradas.

A chegada a Jaguariúna é bastante emocionante, como o trem cruza algumas ruas da cidade, por segurança ele apita várias vezes dando a nítida impressão de estarmos em um filme do passado.

A Estação de Jaguariúna é bem grande e bonita, totalmente restaurada. Dentro da estação existe um grande e bom restaurante onde podemos almoçar. Como opção existe uma feirinha de artesanato ao lado da estação com barracas de pasteis, caldo-de-cana e uma famosa empada.

O tempo de parada na Estação de Jaguariúna é de aproximadamente uma hora, tempo suficiente para conhecer o local e comer.

Embarcamos e voltamos para a Estação Anhumas, percurso feito mais rápido, pouco menos de uma hora. Durante o trajeto ainda pudemos ouvir uma apresentação ao vivo de tradicionais músicas caipiras da região com o Grupo Nostalgia Musical. Na publicação com o vídeo da viagem podemos ver parte da apresentação do grupo.

Chegamos em Anhumas, passamos horas muito agradáveis, nostálgicas mesmo para os jovens que nunca tinham andado de trem. Vale lembrar que a estação tem estacionamento gratuito para os carros dos passageiros do passeio.

No site da ABPF, regional Campinas você pode obter mais informações, inclusive ingressos, do passeio, o link está abaixo.

Aproveitem.

.

Veja um pequeno vídeo do passeio

.

ABPF – Passeio Campinas-Jaguariúna – informações e ingressos

Companhia Mogiana de Estradas de Ferro

14 Viagens de Trem

.

0 respostas

Deixe seu comentário

Quer participar da discussão?
Fique a vontade para contribuir!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *