Palácio de Bellas Artes

Cidade do México

Um dos mais belos edifícios da cidade do México é o Palácio de Bellas Artes, o teatro de ópera da capital.

O projeto é do final do século XIX é foi encomendado pelo presidente Porfirio Diaz junto ao arquiteto italiano Adamo Boari. A arquitetura segue a escola europeia, ele é todo revestido de mármore branco de Carrara, com a tecnologia mais moderna da época. A construção começou em 1904, mas devido ao peso do prédio com o mármore construído sob piso lamacento fez com que a obra afundasse mais de uma vez. A previsão de inauguração em 1908 foi sendo adiada constantemente. Com a Revolução Mexicana em 1910 a construção ficou quase parada. Seu reinício deu-se somente em 1932 com inauguração em 29 de novembro de 1934.

Os problemas da fundação da construção continuam e o palácio continua afundando bem lentamente.

Na fachada principal existem esculturas de querubins representando a música e a inspiração. O telhado do centro do edifício é feito de cristal com desenhos representando as musas com Apollo. Nas fotos noturnas você pode reparar a passagem das luzes internas.

Vários artistas, companhia de danças e orquestras famosos já se apresentaram no Palácio Bellas Artes, como Maria Callas, Luciano Pavarotti, Orquestra Filarmônica de New York, English National Ballet entre outros.

Quando fui ao México havia um festival de música clássica no palácio que não foi possível conhecer seu interior, já que todos os ingressos tinham sido vendidos. No interior existem murais de Diogo Rivera, Rufino Tamayo, David Alfano Siqueiros e José Clemente Orozco.

Normalmente existem apresentações de balés folclóricos a noite. Pessoas que conheço disseram que são apresentações muito bonitas.

O prédio fica em uma linda praça e recomendo a visita durante o dia e, se possível, no final de tarde e a noite. As paredes brancas refletindo a luz do dia fornecem uma imagem muito bonita, mas o jogo de luzes no final de tarde e noite produzem imagens deslumbrantes.

 

0 respostas

Deixe seu comentário

Quer participar da discussão?
Fique a vontade para contribuir!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *